Estamos procurando sentido.

No momento que começamos a perceber abundância em volta da gente, passamos a sentir uma sensação de injustiça, de que de alguma maneira todas as outras pessoas do mundo, e também os animais, precisam receber proteção e ajuda.

Geralmente não percebemos o papel que cabe a cada um de nós para provocar este impacto do mundo, então passamos a entregar e cobrar esta responsabilidade para os nossos governantes.

Passamos a ser adolescentes reclamando da injustiça visível e cobrando o papel de nossos responsáveis para também assumirem responsabilidades terceiras.

Isso tudo é uma necessidade de propósito. Suprida nossas necessidades básicas de sobrevivência passamos não mais a sofrer com isso mas a sofrer com tudo o que o mundo mostra de injustiça e de problemas.

A mídia é especialista em usar desta necessidade de propósito, e tenta incutir o tempo todo problemas de terceiros e expor responsabilidades para provocar a nossa indignação e o nosso envolvimento emocional. Passamos a aceitar propósitos desenhados deliberadamente por manipuladores de massa.

A Internet está mudando significativamente isso. A facilidade de construção de nichos (ou bolhas) de interesse estão permitindo a construção de narrativas e, portanto, propósitos o mais diversos possíveis.

Diferentemente do "pensamento único" imposto pela comunicação de massa, estamos vendo a construção de nichos muitas vezes contraditórios que crescem simultaneamente.

É muito curiosa a formação do clima tribal de disputa entre propósitos contraditórios como esquerda e direita, veganismo e carnivorismo, aborto, religiões, bicicleta e carro, escola e autodidatismo, vida na cidade e vida no campo, etc. Os ânimos ficam tão exaltados que a briga é um fla-flu extremamente interessante para o jogo da conquista dos corações e mentes.

A vida não é tão preto no branco, e enxergar o mundo com todas as nuances é uma arte que se desenvolve com a maturidade. É uma pena que as mídias de massa não ajudavam tanto com esta construção de maturidade, o que entregava este papel para os nossos ambientes sociais de família, religião, clubes, etc.

A Internet e esta cauda longa de conteúdos e nichos está viabilizando a formação do contraditório e do questionamento de forma massificada, apesar de que existe ainda movimentos como os de agências de fake-news que tentam recuperar o pensamento único. Este contraditório constante tende a caminhar para uma exacerbação dos conflitos em curto prazo mas também no amadurecimento rápido das pessoas no mundo em médio prazo, bastando deixar o ambiente apropriado para o crescimento das pessoas.

E as pessoas estão fazendo exatamente isso... Nossa busca de youtubers e influenciadores começaram através do jogo mais baixo possível, baseado em corpos de mulheres, comida, roupa e dinheiro, mas estamos já observando a construção de nichos muito mais elaborados de impacto de modo de vida.

Influenciadores de estoicismo, de comidas saudáveis, de liberdade econômica, política e social estão todos crescendo, e a "realidade" e a "autenticidade" dos propósitos ficam cada vez mais determinantes para a construção de um público.

Os conteúdos, as audiências e as comunidades virtuais estão num processo de evolução através de muitas tentativas e erros, mas a natureza humana de tentar, errar e acertar provavelmente levará este processo para um novo mundo aonde o propósito das pessoas serão determinantes para a nossa próxima evolução como sociedade.

O eixo tecnológico evoluiu tão bem nestes últimos 100 anos que já não temos mais razões para sofrer pelas necessidades básicas. Produzimos mais comida do que a população precisaria, apesar de ainda mal distribuído.

A tecnologia está transformando a nossa vida um céu na terra, e agora está chegando o momento de que a Internet, que é o nosso sistema nervoso artificial que liga os cérebros das pessoas do mundo através do celular, criará um organismo de ajuste de propósitos por seleção natural.

Nosso papel agora como empresários é aprender a entender esta mudança e ligar o propósito com a tecnologia e entender como este conjunto muda o mundo.

Simplesmente fazer um produto tecnologicamente evoluído e melhor que o dos concorrentes está sendo cada vez menos importante. Se não estiver ligado a um propósito e uma comunicação que rode no sistema nervoso artificial da Internet você ficará dependente das células nervosas que saberão se comunicar para você conseguir sobreviver.

Empreender agora é empreender também na mente das pessoas. A entrega de valor precisa ser tanto na diferença no mundo material quanto no mundo das ideias.

Ai de você que tiver uma entrega de valor inferior no mundo das ideias que no mundo da matéria... Você não será apenas descartado, será muito pior: será ignorado!

Qual a sua estratégia para comunicar o que você faz para o mundo? Quando você vai se conectar ao sistema nervoso da Internet?